Monthly Archives: Outubro 2015

Coraçom (solar) de purpurina

Desde aquela conversa, tinha imaginado muitas vezes como iria ser o reencontro, mas, como era costume quando estava excitada com algo, nom conseguia formar pensamentos ordenados nem desenvolvidos. Saltava de umha cousa para outra sem se concentrar em nada e sentia a ansiedade e a impaciência a crescerem dentro dela. Era inútil, por exemplo, tentar decidir agora a roupa que quereria levar. Tinha umha ideia feita, mas provavelmente viria ainda mudar várias vezes, polo que nom adiantava muito iludir-se. Só no último momento conseguiria tomar umha decisom sobre isso e já sabia que, mesmo que tivesse pensado, como tinha, acordar mais cedo, acabaria por chegar atrasada ao trabalho. A correr, no melhor dos casos. Mas ía acordar antes na mesma. Mesmo que só fosse para perder o tempo e passear a casa toda cheia de nervos impossíveis.

Nem sequer agora que já estava na cama conseguia ainda organizar-se e relaxar um pouco. Nem lhe passava pola cabeça pegar nalgum dos livros que andava a simultanear nos últimos dias, porque nom tinha concentraçom para isso. Olhava para o telefone, sem esperar -obviamente-, a aquelas horas, que ninguém ligasse ou escrevesse; via as horas e pensava que, aos poucos, começava a ficar tarde e que descansaria pouco -ela que, até havia umhas horas tinha todo o tempo do mundo pola frente; dava um passeio polo facebook; pelejava com a gata; levantava-se a mijar, a aquecer leite, outra vez a mijar, a comprovar que tinha fechado a porta à chave…; podia aproveitar para trabalhar mais um pouco, mas achava tarde demais para o trabalho; queria dormir, mas também nom queria; era como se ainda restasse algo por fazer, só que nom sabia o que era que restava. 

Pensava numhas meias de rede parisinas, numha saia preta, numha t-shirt amarela com coraçom de purpurina. Pensava em ser actriz de circo, levar um guarda-chuva vermelho, t-shirt amarela com coraçom de purpurina, saia preta, meias de rede mercadas em Paris. Pensava numha rede, mas ela nom era trapezista e tinha medo de cair. Pensava que nom sabia já se estava a sonhar ou ainda acordada.

Pensava que queria dormir e que nom podia, porque só queria pensar nele.